Cicatriz

Eu tenho uma cicatriz no meio da testa me alertando a não pegar estrada de terra durante o temporal.

Outra no braço me diz pra não dançar perto de quem está segurando um cigarro aceso.

Tenho uma cicatriz no joelho que atesta : Nessa vida, mesmo seus irmãos vão querer te derrubar, nem que seja de brincadeira.

Meu avô costumava dizer que a parte do corpo que apanha muito fica mais forte. Uma vez fui fazer massagem no ombro dele e ele pediu pra eu forçar o cotovelo em suas saboneteiras. Massagem não é carinho. Lembro também que um dia ele tentou andar com meus rollerblades pois quando era jovem, patinava nos lagos congelados do Japão. Beirava os 90 anos e quase caiu, mas não caiu. Ele minimizava a dor física. Coisa de samurai.

Cicatrizes não são apenas lembranças do que nosso corpo sofreu, são também provas incontestáveis de que sobrevivemos.

Meu olfato

Gosto do cheiro de cloro que sinto ao passar perto de uma faxineira lavando o chão. Me lembra aula de natação.
Gosto do cheiro de citronela, geralmente quando se acende uma vela pro pernilongo não vir.
Também adoro inclinar a cabeça em cima da frigideira pra sentir o cheiro de alho e cebola dourando no óleo.

Manda engarrafar e põe no meu carrinho?

Eu sou o piloto

Há muito tempo fiz um desses testes que circulam pela internet. A pergunta era: Qual personagem de O Pequeno Príncipe você seria? Como eu não sou candidata a miss me sinto na liberdade de gostar deste livro de verdade. Curti muito o resultado, olha só:

"Você é o piloto e a voz da história. Você é aquele que cria e conta as histórias para aqueles que não puderam estar presentes. Você é incapaz de ser confortado mas deseja confortar os outros. Há algo faltando em sua vida. Não esqueça que você é muito amado. Deixe seu sofrimento ser confortado."

Eu me identifiquei com a função do personagem e também com seus sentimentos de inadequação. Provavelmente não é uma coincidência apenas comigo, talvez todo escritor tenha algo dentro de si que é mal resolvido e que precisa sair pela ponta do lápis. A cada final feliz que colocamos no papel um pouco dessa melancolia finge se esvair. E quando vamos por caminhos mais obscuros, de personagens malvados e soluções desesperançosas, queremos expor um pouco nossas feridas em busca de alguém que no fundo, sinta o mesmo e nos diga: isso é normal.

Pra quem quiser, o teste está aqui http://quizilla.teennick.com/quizzes/101624/saint-exuperys-the-little-prince-quiz

Irrita

Ter sono e não poder dormir irrita.

Mas dormir demais e perder a hora irrita ainda mais.

Ter fome e não conseguir comer irrita.

Mas comer demais e sentir que um alien habita seu estômago irrita ainda mais.

Bater a canela no pé da cama irrita.

Bater de novo irrita ainda mais.

Passar creme na celulite, na barriga, na olheira irrita.

Mas se olhar no espelho e ver a beleza fenecer irrita ainda mais.

A irritação é um bicho selvagem que mora dentro da gente

e morde depois de receber um afago.