Dublador

O pai do Antunes era o dublador oficial do Sylvester Stallone. Quando faleceu até saiu uma notinha no jornal. Ele dera voz brasileira à maioria dos machões do cinema americano como Burt Reynolds, Steven Seagal, Christopher Reeves… mas era lembrado mesmo pela voz do Stallone.

Seu cotidiano nada tinha a ver com os soldados revoltados, lutadores em busca de glória ou caçadores de kickboxers das telonas. Cuidava da voz como um bem precioso, evitava bebedeiras, não gostava da madrugada e nunca tomava chuva. Em casa estocava potes de mel e não admitia que falassem alto demais perto dele. Poderia danificar os tímpanos. 

Era muito culto, lia James Joyce, encomendava DVD´s raros do cineasta Alain Resnais e exigia dos filhos as maiores notas na escola. Quando se deparava com uma nota baixa no boletim, não dava bronca, e sim, debochava da falta de perspicácia da criança. Pode-se dizer que foi com essa técnica que ele fez Antunes se tornar um intelectual-acadêmico-mestre-doutor-pesquisador.  

Seu pai morreu há mais de 15 anos, mas ainda hoje, Antunes se pega olhando pra tv com lágrimas nos olhos quando por acaso se depara com uma reprise de algum filme do Sylvester Stallone. “A memória auditiva é uma coisa poderosa”, pensa. Mas no fundo, ele só queria que o pai tivesse sido mais parecido com o Rocky Balboa.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s